quarta-feira, 8 de maio de 2013

O que é ser fã de Roberto Carlos?



Depois de um tempo sem postar em virtude da minha mudança de casa, volto com um assunto barra limpa. 
O que é ser fã de Roberto Carlos?
(do inglês: fan [fæn], de fanaticFanático“) é uma pessoa dedicada a expressar sua admiração por uma pessoa famosa, grupo, idéia, esporte ou mesmo um objeto inanimado (por exemplo, um automóvel ou um modelo de computador).
Muitas vezes, fãs são organizados em fã-clubes e torcidas.
O que é ser fã?
Essa postagem originou-se de uma atualização de status no facebook do nosso amigo, leitor, comentarista e praticamente sócio da casa Robert Moura. Ele conseguiu resumir em palavras o que é ser fã de Roberto Carlos.
Assim disse Sir Robert:  Gostar de Roberto Carlos para mim é algo como ser brasileiro, ser mineiro, ser filho do Seu Vicente e da Dona Neusa, é como ser cruzeirense, coisas sobre as quais eu não tive o mínimo controle nem opção de escolha, mas se pudesse escolher eu teria escolhido tudo isso!”
Segundo o Wikipédia, a palavra fã é de origem inglesa fan de fanatic, fanático é a pessoa dedicada a expressar sua admiração por uma pessoa famosa, grupo, etc. Os fãs podem se organizarem em fã-clubes. Fanzine é uma publicação feita pelos fãs, geralmente os fanzines são impressos, hoje em dia com o advento da internet pode ser distribuída por email ou ser postada em site, o que eu nem imaginava que chamava E-Zine.
Quando somos fã, falemos de Roberto desse ponto em diante, gostamos de ter os discos (o principal, né?), revistas, publicações, DVD, cd, reportagens em jornal, poster, livros, bottom, camiseta, tudo o que é relacionado a Roberto Carlos. Aí já caímos na categoria colecionador. Que é o cara que compra, troca tudo o que vê pela frente. Segundo minha mãe, é o famoso juntador de tranqueira. O papo é sempre o mesmo quando eu chego com disco, minha mãe olha e diz: Mais disco? Pra colocar a onde?
Além de tudo, ser fã de Roberto Carlos é gostar de tudo o que ele fez e faz. Lembremos que ele já fez praticamente de tudo. Música, filme, comercial, programa de TV (como apresentador e aparições em outros programas, essa última, tanto no Brasil como no exterior), shows, participação em novelas, etc. Também é compreender todas as fases da carreira dele. Em mais de 50 anos de carreira artística, ele na década de 60 comandava a turma do Iê Iê Iê, nos anos 70 uma postura mais madura e o mergulho de cabeça em um estilo de letra mais pessoal e sensual. Nos anos 80, temas sensuais e época de ouro dos especiais de fim de ano, nos anos 90 a menção em música a todos os tipos de mulheres e profissão, na década de 2000, o maravilhoso cd acústico, os duetos, discos ao vivo mostrando Roberto no palco, projetos como Elas Cantam Roberto, com Caetano Veloso cantando a música de Tom Jobim, disco ao vivo fora do Brasil, a década de 2010 que começa, um mega projeto em Jerusalém, esse ano de 2012 o EP contendo duas músicas inéditas e com tudo isso existe gente que reclama? Falam em, Deus me perdoe, mesmice? Como cantou Erasmo na Jovem Guarda, mudando apenas uma palavra: Para o diabo com os (eu acho) de vocês.
A carreira artística de Roberto é construída com muito amor, carinho, dedicação e só com altos. Não existem altos e baixos só altos. Ele vendeu, vende e venderá muitos e muitos discos ainda.
Conheci Roberto Carlos creio que com o disco de 1978. Apesar que tinha o disco de 1969 em casa também, mas a primeira lembrança é de 1978. Em especial a música “Fé”. Eu sou de 1974, portanto eu tinha 4 anos. Não me lembro exatamente se assisti ao especial de 1978 na época, mas em algum momento eu vi. A presença de palco, falar entre as músicas, a forma de cantar, tudo me chamou a atenção. Com os anos o meu lado fã só tinha tendência a piorar. Lembro de momentos únicos como em 1980, meu pai trouxe o vinil e ao tirar do envelope de papel da loja, a capa do vinil de 1980, a música que eu colocara no toca discos Telefunken, “A Guerra dos Meninos”, poxa, eu chorei com 6 anos. Momento que não volta atrás, eu, minha mãe, meu pai na sala, eu com o disco do Roberto nas mãos... Isso tudo marca. O primeiro pé na bunda da namorada, eu devo ter ouvido Roberto. O primeiro show, sempre fiquei longe nos shows. E quando eu comecei a colecionar então? Discos... ver um disco em um sebo e pensar: Mas esse disco eu já tenho. Ao mesmo tempo pensar: Ah, mas esse aqui está melhor. 
Pra encerrar com o assunto:
A proposta do blog.
Primeiramente o blog é feito de fã pra fã. Tento compartilhar com os leitores os discos que são importantes para mim, filmes, especiais de TV, aparições na TV brasileira e estrangeira. Respeitamos a privacidade do nosso Roberto, sempre. Aqui não disponibilizamos links para downloads, troca de arquivo ou coisa parecida, ainda sou um fã (à moda antiga) que vai à casa do amigo e grava uma fita. O blog não tem fins lucrativos.
Obrigado pela visita de todos.


2 comentários:

  1. Puxa, mano, assustei com a citação à minha pessoa aí, esse comentário eu escrevi após assistir ao último Especial do Roberto, e ele me surgiu do fato de eu estar muito irritado com as participações especiais, mas apesar disso ter curtido o programa, é algo como ignorar os defeitos da pessoa que se ama, do seu país, ou ainda mesmo aprender a aceitar e conviver com eles. Eu tenho muito problema com a palavra "fã", assim como a palavra "ídolo", desde a infância elas me incomodavam porque acho que as pessoas não as entendem como eu e, evito me colocar como fã de alguém, costumando citar como ídolo para mim apenas Ayrton Senna, embora obviamente outros como o Roberto também o sejam, isso ocorre comigo em função de uma banalização que fazem do termo, enfim, não sei se me expliquei direito,mas tenho certeza que me entenderá! Rs.

    Valeu mesmo pela citação, legal algo que você falou servir de inspiração para uma reflexão tão bacana como a que você fez.

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. Hehe, fala mano. A citação à sua pessoa eu já tinha pedido antes, mas faz tempo rs. Uma amiga do nosso blog falou sobre esse (as pessoas não entendem como nós). É simples, ninguém sabe o que sentimos pelos nosso ídolos. fato. Abraço mano

    ResponderExcluir