quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Roberto Carlos no Cinema - Roberto Carlos e o Diamante Cor de Rosa



O segundo filme estrelado por Roberto Carlos é praticamente uma volta ao mundo em 94 minutos de pura aventura. O filme foi rodado em Tóquio e Kamakura, Japão; Tel Aviv e Jerusalém, Israel; Rio de Janeiro, Brasil e Portugal.
Roberto aparece no início do filme acompanhado de sua inseparável gaita tocando o tema do filme: Diamante Cor de Rosa. Há também o clip Não Vou Ficar onde Roberto aparece com um colete, tocando guitarra. Aqui já dá pra ver os primeiros sinais de mudança de estilo. Vivíamos em 68, a era flower Power. Roberto que até o filme Ritmo de Aventura usava e abusava das tradicionais camisas, figurino extremamente selecionado, aqui Roberto aparece bem mais a vontade. O cabelo que no filme anterior, acontecesse o que acontecesse aparecia todo penteado, aqui já começava a crescer, uma prévia dos anos 70 onde ele usaria o cabelo comprido.
No filme temos as participações de Wanderléa e Erasmo Carlos compondo o trio inseparável da Jovem Guarda.
Eles estão no Japão, todos ali com estilo bem hippie, passeando, fazendo compras, até que Wanderléa se encanta (mulher quando entra em loja é um saco) com uma estatueta. Mas entra em cena Pierre, o fantástico José Lewgoy que também atuou em Ritmo de Aventura. Aí começa a perseguição. Motivo: A estatueta guardava um mapa de um tesouro que estaria escondido em algum lugar. Um pouco mais pra frente eles conseguirão a ajuda de um gênio, chamado Eugênio.
Em uma das cenas finais, (não, não vou contar o filme inteiro), Roberto sai batendo a poeira, e podemos reparar que ele está com um visual parecidíssimo com o Roberto de alguns anos atrás: Todo de branco e com o cabelo grisalho. Assim como os três filmes de Roberto, este filme é dirigido por Roberto Farias. Irmão do ator Reginaldo Farias.
Infelizmente não houve um disco com a trilha sonora do filme. O que foi lançado foi um LP pela gravadora Polydor com algumas músicas, porém nenhuma delas com as vozes de Roberto, Erasmo ou Wanderléa. Apenas gostaria que alguém pudesse me ajudar a entender, como o filme que é de 1968, já tem a música de 1970 a canção "120, 150, 200 Km por Hora".

Músicas do Filme:
1) O Diamante Cor De Rosa
2) Você Vai Ser O Meu Escândalo
3) 120, 150, 200 Kmh
4) As Curvas Da Estrada De Santos
5) Vou Ficar Nú Pra Chamar Atenção
6) É Preciso Saber Viver
7) O Gênio
8) Karatê
9) Pentotal
10) Enganado Pierre
11) Aquarela Do Brasil
12) Custe O Que Custar
13) Please Garçon
14) Não Vou Ficar
15) Sarro
16) Tuareg









Lado A:
01. O Genio (Orquestra Polydor)
02. Custe O Que Custar (Gustavo)
03. Karate (Roberto Carlos)
04. Sarro (Wilson das Neves)
05. Ilha Rasa (Orquestra Polydor)
06. Nao Vou Ficar (Gustavo)

Lado B:
01. O Diamante Cor de Rosa (Jose Roberto)
02. Please Garçon (Joyce)
03. Karate (Orquestra Polydor)
04. As Curvas da Estrada de Santos (Gustavo)
05. Toboga (Jose Roberto)
06. Enganando Pierre (Orquestra Polydor)


FICHA TÉCNICA do Filme
Diretor: Roberto Farias
Elenco: Roberto Carlos, Erasmo Carlos, Wanderléia, José Lewgoy, Paulo Porto, Marly de Fátima.
Produção: Antônio Cristiano, Ivan De Souza, Rogério Farias, Mauro Lando, Wilmar Menezes, Joni Natorf Schlomer
Roteiro: Berilo Faccio, Roberto Farias
Fotografia: José Medeiros
Trilha Sonora: Roberto Carlos
Duração: 94 min.
Ano: 1968


 



sexta-feira, 16 de novembro de 2012

O DISCO DE 1989




Lado A
1 – Amazônia - (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
2 – Tolo - (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
3 – O tempo e o vento - (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
4 – Se Você Me Esqueceu – (Roberto Livi – Carlos Colla)

Lado B
1 – Pássaro Ferido - (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
2 – Nem Às Paredes Confesso – (A Ribeiro/F.Trindade/M. de Sousa)
3 – Só Você Não Sabe - (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
4 – Sonrie – (Smile) – (C. Chaplin/J. Turner/G. Parsons/Roberto Livi)
5 – Se Você Pretende – (Mauro Motta/Carlos Colla)



Lado A
1 – Amazônia – (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
O disco já começa com uma (bronca verde) do rei a quem desmata um dos poucos patrimônios que nos restam. Roberto e Erasmo pegam pesado nos versos: “Sangue verde deramado/o solo manchado... Quanta falta de juízo, Como dormir e sonhar/quando a fumaça no ar/ arde nos olhos de quem pode ver...”
“Todos os gigantes tombados/deram suas folhas ao vento/folhas são bilhetes deixados/aos homens do nosso tempo.”
Há uma diferença da canção mixada para o disco em português e para o disco em espanhol, no disco em espanhol em alguns momentos temos mais a presença das guitarras. A música é um rock perfeito. A voz de Roberto está (como sempre) impecável. No videoclipe do especial de 1990, Roberto canta no meio da floresta amazônica. Canta a bordo de um barco, sentado em um tronco de árvore e aparecem várias imagens de animais como onça, tucano, entre outros. Para os mais detalhistas, o cabelo do rei esse ano, está muito comprido, basta bater um vento que o cabelo bagunça de vez. Voltando um pouco no tempo, em 1967 no filme em Ritmo de Aventura, Roberto Farias o diretor do filme, disse em uma entrevista em 71 para a revista Cartaz que Roberto Carlos brigava para que na cena no prédio em que toca Quando (O rooftop concert do Roberto, antes dos Beatles em 70), para que o seu cabelo ficasse liso. Na real, ele nunca ligou mais para esses detalhes nos anos seguintes.

2 – Tolo - (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
A música é do estilo corta-pulso. A letra fala de quando nós (seguimos o caminho) de alguém que lá na frente vai nos magoar... E é sempre assim mesmo, os versos (Me esqueci... de pensar em mim... na velocidade que eu vinha... os sinais que os amigos deram.. Fui além dos meus limites...) o nome da música já diz tudo. Roberto e Erasmo, como dois caras que vivenciaram o amor mais que muita gente por aí, sentiram na pele o que a letra diz. Quem não sofreu por amor? Pode parecer meio piegas a frase, mas é verdade. Não dá para ouvir essa música e não pensar em quem já deixou marcas, feridas e afins. A não ser que você tenha e viva hoje um amor maior e melhor do que o amor que lhe deixou contando azuleijos da cozinha...

3 – O tempo e o vento - (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
Esta canção é uma obra prima, eu mesmo demorei pra gostar dela, foi preciso ouvi-la com atenção. A letra fala do amor que ficou no tempo e que o vento levou. “Tudo o que eu queria, ilusão perdida...” Nos versos (... sonhos inesquecíveis, loucas madrugadas, praias desertas, sonho dourado...) Ou seja, a letra fala daquele amor que a gente vive, como um castelo de areia, e vem uma porra de uma onda e leva tudo. Faço um parêntese aqui em especial sobre a dupla Roberto e Erasmo. Eles falam com exatidão tudo o que já passamos ou passaremos. Em suas composições, costumo dizer, que Roberto e Erasmo têem canções para todas as ocasiões.

4 – Se Você Me Esqueceu – (Roberto Livi – Carlos Colla)
A canção fala da insistência em acreditar que o (amor) sempre ele, o grande amor não acabou. É o tipo de coisa que a gente não fala para a outra pessoa, é o tipo de coisa que falamos para nós mesmos, pensando na outra. O grande amor fica na lembrança, é melhor recordar o que foi vivido a dois. Bela música que eu também demorei para apreciar,  fui gostar dela depois que a ouvi em espanhol. 



Lado B
1 – Pássaro Ferido - (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
Uma pérola da carreira de Roberto. Não tem como ouvir essa música e não debulhar em lágrimas.  Os versos (...o sol procura meu rosto, tentando achar um sorriso que já não é meu...) , (...me dói a falta do beijo de quem não me espera...) reforçam a idéia de que o amor acabou, porém vive na lembrança, na recordação. Já chorei muito ouvindo isso.

2 – Nem Às Paredes Confesso – (A Ribeiro/F.Trindade/M. de Sousa)
Belo fado composto e revisitado na voz de Roberto. Como eu sempre costumo dizer: Um belo tabefe na cara dos que insistem em dizer que Roberto nunca muda. Se fazermos um apanhado apenas da década de 80, Roberto gravou jazz, samba, rock, tango, country, bolero e no caso desse disco, um fado.

3 – Só Você Não Sabe - (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
No especial de 90, Roberto está sentado em um boteco e uma morena, passeia para lá e para cá, dança com outros rapazes e o Roberto só (de zóio).


4 – Sonrie – (Smile) – (C. Chaplin/J. Turner/G. Parsons/Roberto Livi)
Música de Charles Chaplin versionada por Roberto Livi que dá nome ao disco espanhol de 1989 do Roberto, que na verdade é o disco em 1988 versionado. Michael Jackson gostava muito dessa canção e também a gravou em inglês.

5 – Se Você Pretende – (Mauro Motta/Carlos Colla)
A letra fala de um amor de antigamente que foi e quem sabe está para voltar. Porém com certos cuidados para não cair na situação da canção de 1986 Do Fundo do meu coração.


A ordem das músicas, vi recentemente no site Mercado Livre que no lado A, a primeira canção é Tolo e a segunda, Amazônia. Pois bem, no meu vinil está ao contrário, primeira música Amazônia e segunda, Tolo.
Roberto nesse ano, ostenta uma pena no cabelo do lado esquerdo. Mais um detalhe, Roberto veste um maravilhoso blazer de couro.
Depois dos discos de 88, Se Diverte E Já Não Pensa Em Mim e Ao Vivo, Roberto nos presenteia com mais um álbum dentro dos padrões RC, o disco de 89 Ouvindo esse disco principalmente, podemos fazer uma reflexão sobre o padrão RC de qualidade. Esse disco possui uma sonoridade equilibradíssima, graves, agudos, médios... piano com som de piano, baixo com som de baixo etc. O disco não soa tão eletrônico como seria nos anos seguintes.
Nota importantíssima: Curiosamente, nesse disco não há créditos para arranjos, fotos, músicos, estúdios em que foi gravado, mixado, enfim, o disco só vem com a letra da música e o créditos para os autores. Como 20% dos fãs de Roberto liga para esses detalhes, entremos nós no time dos 80%. (particularmente) eu gosto de ler a ficha técnica, quem gravou o quê, quem arranjou e mais todas as informações do disco. Fico devendo a ficha técnica para vocês.