sábado, 25 de agosto de 2012

O DISCO DE 1990



Lado A
1-    Super Herói (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
2-    Meu Ciúme (Michael Sullivan/Paulo Massadas)
3-    Por Ela (José Manuel Soto) Versão: Biafra/Aloísio Reis
4-    Pobre de Quem Me Tiver Depois de Você (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
5-    Cenário (Eduardo Lages/Paulo Sérgio Valle)

Lado B
1-             Quero Paz (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
2-             Um Mais Um (Gilson/Carlos Colla)
3-             Porque a Gente Se Ama (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
4-    Como As Ondas Voltam Para O Mar (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
5-    Mujer (Roberto Livi/Salako)


 Lado A
1 – Super Herói (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
Arranjo e teclados: Ary Sperling
Apesar da letra ser realmente um estilo legal, a dupla se coloca na pele daquele cara super protetor que está disponível 24 horas por dia. Boa, a mulherada gosta disso mesmo. Analisando a música, ficou impecável a junção da bateria (de verdade) com o teclado. John Robinson mandou bem nas baquetas. Só faltou mesmo o Abel Laboriel  no baixo. O eco na voz de Roberto aqui ficou fantástico.

2 – Meu Ciúme (Michael Sullivan/Paulo Massadas)
Arranjos e  Teclados: Lincoln Olivetti
Uma composição dos hit makers Sullivan e Massadas é o carro chefe do disco. A dupla de compositores explora o tema ciúme de forma espetacular. De ciúme eu entendo bem, sou de escorpião. A letra mostra uma solução sugerida pelos próprios autores no trecho (...mas pra gente ser feliz eu vou domar meu coração). A música tem uma sonoridade grave, os teclados, bateria, tudo bem distribuído, a regência de cordas ficou por conta de Charlie Calello e de metais por Jerry Hey. Aliás, os metais andavam meio raros nos discos do rei por essa época.

3 – Por Ela (José Manuel Soto) Versão: Biafra/Aloísio Reis
Arranjo: Charlie Calello
As guitarras flamencas ficaram a cargo de Manzanitta e Ramón Stagnaro. Uma ótima música que Roberto poderia usar ao vivo em seus shows hoje em dia. Uma prova da diversidade de ritmos nos discos do rei. A letra narra todas os porquês da devoção pela pessoa amada.

4 – Pobre de Quem Me Tiver Depois de Você (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
Arranjo: Charlie Calello/ Arranjo de Cordas: Eduardo Lages
A dupla vem com um tema que já foi abordado mais sutilmente em Tente Viver Sem Mim de 86. A letra explora o tema do tipo: Ah é? Fica sem mim pra você ver o que é bom pra tosse! Paulinho da Costa se encarrega da percussão, Robbie Buchanan do piano e baixo e nos teclados Ary Sperling.


5 – Cenário (Eduardo Lages/Paulo Sérgio Valle)
Arranjo e Piano: Eduardo Lages
Mr. Eduardo quando escreve mata a pau. Ele consegue, assim como Roberto e Erasmo, colocar no papel os sentimentos mais profundos e coisas que nunca dizemos, mas que existem em nossas cabeças. A dupla mescla o ser artista com a situação de fã da pessoa amada, a vida a dois aqui é encarada como uma história. No trecho (... são lágrimas de amor que a maquiagem, disfarça mas não muda o personagem, sorrisos tantas vezes encenados, deixados de lado, na vida). Perfeito Lages e Valle. 



Lado B
6 – Quero Paz (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
Arranjos e Teclados: Robbie Buchanan
Roberto e Erasmo aqui pedem por paz. A música nunca vai deixar de ser atual. No caso aqui é contra a guerra que Roberto e Erasmo se pronunciam. A dupla já havia falado em 82 em Paz na Terra. Essa música entrou no Especial de 1990 em forma de clipe. A versão em espanhol tem diferenças na mixagem*. 

7 – Um Mais Um (Gilson/Carlos Colla)
Arranjo: Charlie Calello
Uma letra simples, porém a simplicidade não lhe tira o brilho. Gilson e o hit maker Carlos Colla descrevem a situação de uma possível reconciliação, momento em que os pensamentos não são claros na cabeça de quem está separado da pessoa que ama. No trecho (deixa eu te abraçar por uma noite só) é o gancho para tentar terminar o assunto na manhã seguinte. Seria um dos estilos de letra de Roberto e Erasmo. Antes do final da música, há uma subida de tom, Roberto também é mestre nisso.

8 – Porque a Gente Se Ama (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
Arranjo e Regência de Cordas Charlie Calello
Roberto e Erasmo tentam resgatar aqui em tema a sensualidade das músicas dos anos 80. A música em si, tem uma atmosfera muito boa. Aqui é possível ouvir Roberto cantando consigo mesmo. Uma das milhares de coisas de se dizer para este disco, é que o disco é agradabilíssimo de se ouvir. A dupla de compositores de uma certa forma se superam nessa letra. O trecho (A gente se encosta e até sai faísca...) mostra isso.

9 – Como As Ondas Voltam Para O Mar (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
Arranjo: Charlie Calello
A tecladeira assume o disco mais uma vez. A letra fala em voltar para os braços da pessoa amada. Abordagem usada também na canção (Como as Ondas do Mar de 88).

10 – Mujer (Roberto Livi/Salako)
Não há arranjo creditado no disco.
Música de Roberto Livi que fez parte da trilha sonora internacional da novela Luia Cheia de Amor. Música bastante veiculada no rádio também. Essa canção quebra a idéia de que as músicas mais fracas ficam para o fim do disco.

Considerações Finais
Na capa predominam as cores branca e azul. Roberto tem um estilão só dele para capa. Não sei se eu já disse isso em outro post, mas ele criou elementos que viraram marca registrada em suas capas, a moldura, a foto, o figurino, foto em ambiente externo ou estúdio as capas de seus discos (ainda mais em vinil) causam um impacto de que o disco em mãos se trata de um artigo fino. Roberto entra na década de 90 com um disco ímpar. A produção é do próprio Roberto com exceção de Mujer por Roberto Livi, Super-Herói foi produzida por Sergio Lopes e Por Ela produzida por Mauro Motta. A produção do disco nos dá vontade de ouvir Roberto produzindo mais e imaginar como seria a produção dele próprio em outros discos da sua carreira. A sonoridade aqui está mais encorpada. Voltando no ano de 1990, o disco anterior, 89, Amazônia tinha tido um sucesso razoável. Particularmente, lembro do disco de 1990 chegando na loja de discos em que eu trabalhava no Itaim Bibi, aqui em São Paulo. O fim do ano estava próximo. Era meu segundo emprego. Aquele ano de 1990 meu pai me perguntou se eu queria trabalhar com ele onde ele trabalhava. A loja de discos. Inesquecível foi aquele ano em que passávamos o dia inteiro juntos. Era tudo novo pra mim, pegar ônibus, ir trabalhar, com o meu pai. Alguns meses se passaram até que nas vésperas do natal, meu pai começou a passar mal e no dia 24 de dezembro, uma Ebulia Pulmonar acabou o levando. Não assisti esse especial direito, até porque foi no dia 25, mas tenho gravado em VHS.
O disco é obrigatório para toda pessoa que se diz fã de Roberto. A sonoridade do disco está mais encorpada, Roberto canta consigo mesmo em overdub, há a diversidade de estilos e aqui temos o próprio Roberto produzindo. Gravado nos estúdios Westlake e 55 (Los Angeles), Criteria (Miami), Sigla e Transamérica (RJ). Fotos de Nicola Dill. 




12 comentários:

  1. Esse é outro daqueles discos que ouvi muito.

    Lado A

    1. Super Herói - Já gosto dessa a partir do título. Primeira vez que Roberto liberou música com sua voz para uma trilha sonora de novela e foram duas no mesmo ano e do mesmo disco, além dessa em O Dono do Mundo, rolou Mujer em outra novela Lua Cheia de Amor. Nem sou noveleiro mas acho essa uma observação pertinente, provavelmente o que o motivou a fazer isso foi a queda de vendas do ano anterior devido ao momento ecônomico que o Brasil vivia quando seu disco anual ao invés do tradicional mínimo de 1 milhão de cópias lançadas, saiu com "apenas" 800 mil cópias na primeira tiragem, vão longe esses tempos em que se vendia tanto disco assim no Brasil.

    2. Meu Ciúme - Sullivan e Massadas conseguiram criar uma música realmente com a cara do Roberto seguindo o estilo "Roberto/Erasmo", a música caiu realmente bem na voz do Rei, ótimo arranjo e como você bem lembrou, os metais reapareceram e muito bem!

    3. Por Ela - Caramba! Ótima garimpagem que Roberto fez ao escolher essa música pro seu repertório. Acho que ele não costuma executar muito ao vivo por não ter violonistas flamencos sempre à disposição pois são eles que dão cara à música.

    4. Pobre de Quem Me Tiver Depois de Você - Essa é uma daquelas canções que ficaram meio abafados no disco em virtude da força de execução de outras, mas gosto muito.

    5. Cenário - Olha, se o elogio ao Lages era devido à letra, na verdade o responsável é sempre o Paulo Sérgio Valle nas parcerias dos dois, acho que o Lages nunca escreve letra, mas manda bem na melodia e essa é uma delas, eles deram uma chupadinha poética em Emoções e assim como Sullivan e Massadas fizeram em Meu Ciúme, criaram uma canção que podia ser assinada pela dupla Roberto e Erasmo.

    ResponderExcluir
  2. Lado B

    1. Quero Paz - O riff de guitarra abre muito bem a música, Roberto canta de forma mais agressiva, mas ainda acho que poderia ser um pouco mais, mesmo se tratando de uma música pacifista, rs...na época o que motivou a dupla foi a Guerra do Golfo, lembro de ter lido uma observação em algum lugar que só Roberto e os Rolling Stones fizeram músicas tocando nesse tema naquele ano.

    2. Um Mais Um - Outro que gosto muito e passou mais batida pelo grande público.

    3. Porque A Gente Se Ama - Roberto dá uma revisitada àquelas músicas mais latinizadas e com letras mais "calientes" como "No Mesmo Verão" e dois anos depois daria sequência com "Mulher Pequena".

    4. Como As Ondas Voltam Para O Mar - Outra da dupla dinâmica, só saquei isso agora, mas esse disco é um dos poucos, senão o único do Rei em que os maiores sucessos não foram parcerias suas com o Erasmo. Outro detalhe é que esse é o único disco do Rei produzido por ele e acho que fora esse ele só produziu o do Erasmo em 68.

    5. Mujer - Olha mano, tudo conspira para que o arranjo tenha sido do Roberto Livi como era comum em canções dele que o Roberto gravava e/ou músicas em castellano que saíam nos discos brazucas.

    Maravilha, bicho, às vezes lendo os posts sou levado a reescutar os discos e o que vou fazer com esse!

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  3. Obrigatória observação, ainda mais novela que eu não acompanho. Também não sou noveleiro, mas o Roberto já admitiu que é. Claro, quem é fã de Roberto assistiu a novela Celebridade. Aliás, depois disso ele começou a pintar em tudo que era programa da Globo na época das comemorações aos seus 50 anos de carreira, só faltou aparecer no Jornal Nacional e no Globo Esporte, rs.
    Dando uma pesquisada na internet agora ao falar desse tema novela, já corre um assunto que a Globo (pronto, olha o Baratta atacando de colunista fofoqueiro) estaria com uma lista de próximos convidados a fazer uma participação especial na novela Cheias de Charme para cantar com as empreguetes.
    Grande abraço mano.

    ResponderExcluir
  4. Um minuto para a tréplica:

    Pois é, bicho, também não sou noveleiro e esse lance do Rei falar que é me mata de vergonha, hauhauhauhua.


    abraço, mano!

    ResponderExcluir
  5. Só fazendo uma pequena observação sobre as informações passadas pelo amigo Robert Moura...

    Na verdade, o que possibilitou a liberação das faixas desse disco para as trilhas das novelas foi outro motivo: A mudança de CBS para Sony Music! O disco foi lançado no final de 1990, quando ainda era CBS. Mas nos primeiros meses de 1991 a gravadora mudou e passou a ser Sony Music!! Mudou a direção da companhia. Novas cabeças à frente da gravadora!! Isso foi o que fez ela abrir mão de faixas do Roberto para a Globo (e, consequentemente, ver gravações do Roberto em disco da SomLivre). A CBS fazia muito cu-doce pra liberar fonogramas do Roberto. Queria o Rei exclusivamente em discos com sua marca. A Sony começou quebrando isso!!!

    Outra coisa: O disco anterior a esse (o pior disco do RC, por sinal) realmente vendeu pouco. Muito pouco. Mas ele não saiu com menos de 1 milhão não!!! Pelo contrário: Foram prensadas bem mais de um milhão e ficou tudo encalhado nas lojas!!! E a venda não foi reduzida devido à crise não!! Foi porque o disco não caiu goela abaixo do povo mesmo!!!

    O disco que foi lançado com "apenas" 800 mil cópias foi o de 1991 (que foi um sucesso tremendo!!). Tenho uma fita (não sei se ainda roda) que tem a gravação de uma matéria no Jornal Nacional no dia do lançamento do Lp de 1991, dando a informação de que, pela primeira vez, um disco de RC saia com menos de 1 milhão, devido (aí sim) à crise.


    Abração!!!

    ResponderExcluir
  6. Hoje a Sony é BMG também, praticamente virou tudo uma coisa só. Mas eu ainda prefiro o selo DISCOS CBS. Aquele selo da Sony quando saiu achei esquisito, não sei se é cisma mas achei o som esquisito também. Não era mais encorpado como nos vinis da década de 80.

    ResponderExcluir
  7. Yeah, Marlos, teve a questão da mudança da CBS para a Sony sim, mas é mais do que sabido o cuidado que o Roberto tinha (tem) com a superexposição e por isso mesmo ele não liberava gravações suas para telenovelas, assim como evitava (evita) aparecer com muita frequência em programas de TV.

    Um grande favor seu fazer a corretíssima observação quanto ao disco de 1991 que foi o que realmente saiu abaixo das tradicionais 1 milhão de cópias e não o de 1989 como eu havia dito, escrevi o comentário de cabeça também me recordando de uma matéria de lançamento num telejornal, nesse caso o do SBT que eu inclusive ripei de um dos meus VHS e postei no youtube em 2009, está aqui: http://www.youtube.com/watch?v=yEPD0pTV3dc revendo agora me dei conta da confusão na época que comentei, provavelmente pelo fato de aparecer ao fundo atrás do apresentador (esse tremendo boçal que eu nem vou citar o nome) a imagem da capa do álbum de 1989.

    Em relação ao fato do disco de 1989 ser o pior da carreira do Roberto é uma opinião pessoal, para mim só o fato de ter a canção O Tolo (que inclusive teve sua qualidade atestada com a regração do Belchior, compositor do mais alto nível) já vale o disco e tem ainda duas belas regrações do Roberto, o fado Nem Às Paredes Confesso e o jazz, Sonrie (Smile) e ainda na minha opinião, talvez o melhor samba da dupla Roberto e Erasmo gravado pelo RC, Só Você Não Sabe. O disco que menos curto do Roberto é o de 1995, ainda sim, com uns dois bons momentos para mim. No geral, muito boas as observações, uma coisa bacana que a internet trouxe para mim foi encontrar pessoas assim como você e o Baratta que além de fanáticos pelo Roberto também se ligam em todos esses detalhes (muito grandes pra esquecer) da carreira do Rei.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, onde eu escrevi "regração" e "regrações", acho que está claro que era pra ser "regravação" e "regravações", né? hehe

      Excluir
  8. Grande Robert Moura e Marlos, vcs são o máximo mesmo. Aí, vou editar a postagem, coisa que eu não costumo fazer, mas é necessário.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. coloquei o vídeo da reportagem, mais uma vez agradeço a presença de todos.

      Excluir
  9. Genial a postagem e os comentários dos amigos!

    Esse disco foi o que me trouxe para ser fã definitivamente do Roberto! Meu pai tinha uma fita dele e eu o ouvia todos os dias! Foi um sonho muito grande conquistado quando consegui comprar esse disco em vinil, pois o achava um dos melhores do rei e até hoje penso assim!

    Sobre a canção Super-herói, soube recentemente, quando adquiri o box pra sempre internacional 2 que ela foi gravada em 1989 e provavelmente não agradou ao rei, ficando aquele disco com 9 músicas! Eu não o acho pior, talvez menor em qualidade e maior em sofrimento, pelo que o Roberto passava!

    Gosto da sonoridade, da capa, de tudo que escuto e vejo nesse CD 1990!

    Blog Música do Brasil
    www.everaldofarias.blogspot.com

    Um forte abraço a todos!

    ResponderExcluir
  10. Grande Everaldo, que coisa legal saber dessa história. A fita que o seu papai tinha e que você ouvia todos os dias. O sonho conquistado de ter esse disco em vinil, olha que eu tenho lá meus sonhos também, um deles até acho que colocarei na próxima postagem talvez na semana que vem, que são os meus discos do Roberto quase se completando em vinil. Enquanto muitos ainda correm atrás de disco italiano, disco em espanhol, disco em inglês, eu depois de anos consigo em um disco comprado aqui, outro ali completar minha coleção do Roberto.
    A canção Super-Herói ter sido gravada em 1989 eu não sabia, isso enriquece a postagem sobre o disco. O legal é isso, eu posto um disco e vocês se encarregam dos comentários, informações. Isso é Robertizar mano.
    Grande Abraço

    ResponderExcluir