terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Exposição Oca Ibirapuera - parte 3

Retomando as postagens do blog depois de um período em que tive que arcar com compromissos da banda Guns n´ Roses cover entre ensaios, gravação, show, reuniões, enfim.


SUBSOLO
A Oca tinha um andar pra baixo do térreo e mais dois para cima.
Impossível ver tudo num dia só. Apesar de que eu vi tudo no primeiro dia, me senti uma criança de tão contente. O andar abaixo do térreo tinha um ambiente que simulava um estúdio de gravação onde você poderia “brincar” de produtor e abaixar ou aumentar o volume de cada instrumento. 

 
Um pouco mais para o lado esquerdo, alguns vídeos do Roberto com os Trapalhões, em outro setor Roberto e a espiritualidade, Roberto e a natureza...  Foi uma coisa muito bem sacada, o visitante sentava, assistia, puxa, dava para passar o dia ali, respirando Roberto Carlos.

No ambiente do mar, a estrutura que foi montada lembrava um barco, o caminho para se chegar até o barco tocava Amazônia... 




 
Ainda no subsolo, mais vídeos como ele chegando de moto para embarcar no Cruzeiro do Projeto Emoções em Alto Mar, vídeos que os fãs gravaram e mandaram via internet, mais presentes de fãs como quadros com a figura de Roberto desenhada, corações de pelúcia.
Em um ambiente das fotos, muitas fotos de família, e finalizando o Jardim das Rosas. Mas nem me passava pela cabeça o que teria a mais para ver lá pra cima. 

1º Andar - vídeos
No primeiro andar haviam vários ambientes única e exclusivamente de vídeos. O primeiro continham poltronas que mais pareciam ovos, muito confortáveis com alto falantes e vídeos que contava a origem do movimento rock no Brasil. 


 
Outros ambientes do mesmo andar falavam dos duetos dos principais especiais de fim de ano da Rede Globo. Cada espaço para um dueto, Chitãozinho e Xororó, Tom Jobim, Maria Bethânia, entre outros.
Outro ambiente era destinado aos clipes dos 3 filmes estrelados por Roberto. O ambiente era composto de bancos de carros para assistir a dois, a três, algo realmente para entreter o pessoal.
 
O último a ser visitado era o espaço das lambretas que passava muito vídeo dedicado ao Erasmo, o processo de composição dos dois, os dois cantando de Elvis Presley no especial de 1977 entre outras imagens. 

 
2º e último andar
O ambiente Horizonte.
O céu é o limite? Creio que não. No ambiente horizonte finalizando a mega aventura, havia várias estruturas de couro branco onde podia deitar, dormir, passar o dia ouvindo Roberto Carlos sem se preocupar com o amanhã, com o hoje, com conta pra pagar... 
 
Descendo os dois andares, havia ainda um estúdio onde podia se cantar a canção Um Milhão de Amigos como se estivéssemos gravando de fato um disco.
Se dirigindo para a saída, mais objetos pessoais expostos. 



 
A exposição ao longo dos dias ganharia mais objetos devido ao sucesso. O cadillac real, uma sessão junto aos presentes dos fãs teria mais imagens religiosas dadas pelos fãs.
 Essa foi uma exposição que entrou para a história definitivamente, por vários aspectos. Por se tratar de uma exposição da carreira do maior artista brasileiro, com 50 anos de carreira. A residência onde morou Elvis Presley, chamada Graceland virou um museu que atrai milhares de visitantes todos os anos. Seria interessante fazer o mesmo com o Roberto. Fica a dica. Finalizando a série de postagens sobre a Exposição na Oca do Ibirapuera, postarei alguns vídeos garimpados no You Tube.

2 comentários:

  1. "A residência onde morou Elvis Presley, chamada Graceland virou um museu que atrai milhares de visitantes todos os anos. Seria interessante fazer o mesmo com o Roberto. Fica a dica."

    Ainda não tive a oportunidade de visitar a casa dele em Cachoeiro mas imagino que certamente eles não têm essa riqueza de material lá, seria uma coisa interessante que fizessem isso lá.

    Acho que liberar objetos pessoais para essa exposição foi o máximo de intimidade que o Roberto já se permitiu até hoje, realmente entrou pra história.

    ResponderExcluir
  2. os carros, roupas, fotos, prêmios.. vai rolar uma exposição do Elvis aqui no Brasil esse ano. Fica a dica para fazer um do Roberto e porque não um dos Beatles tbm. Buenos Aires tem uma Cavern Club lá.

    ResponderExcluir