terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Cantinho do Rei por Nando Carlos

O blog Súditos RC abre espaço para os fãs mostrarem suas coleções sobre o Roberto. Além das coleções muitos fãs gostam de personalizar o canto onde tem contato a obra do Roberto, seja ela em vinil, CD, fita k7, VHS ou DVD. Como primeira postagem da série coleções teremos o amigo Nando Carlos. Amigo recentemente conhecido na rede social facebook, de Santa Cruz, Zona Oeste do Rio de Janeiro, sempre ouviu Roberto Carlos desde pequeno. Mas passou a se interessar em colecionar a partir do encarte que veio no disco de 1982 com as fotos dos discos do rei existentes em catálogo. Nando conta “Até então, muitos discos eu não conhecia naquela época e fiquei fascinado com aquele encarte. Passei ali a desejar ter todos os discos do Roberto. Isso eu tinha uns 9 anos em 1986!”.
O Nando nos mandou algumas fotos mostrando o espaço que ele nomeou de “Cantinho do Rei”. 










Agradecemos ao amigo Nando Carlos pelas fotos e pela contribuição no blog. 


domingo, 6 de dezembro de 2015

O DISCO DE 2005


O disco de 2005

1.       Promessa (Roberto Carlos e Erasmo Carlos)
2.       A Volta (Roberto Carlos e Erasmo Carlos)
3.       O Amor É Mais (Roberto Carlos)
4.       Arrasta Uma Cadeira (Roberto Carlos e Erasmo Carlos)
Participação Especial de Chitãozinho e Xororó
5.       O Baile da Fazenda (Roberto Carlos e Erasmo Carlos)
6.       Coração Sertanejo (Neuma Moraes e Neon Moraes)
7.       Índia (Manuel Ortiz Guerrero e J. Asuncion Flores / versão: José Fortuna)
8.       Meu Pequeno Cachoeiro (Raul Sampaio)
9.       Loving You (Jerry Leiber e Mike Stoller)

Corria o ano de 2005 e eu tendo voltado a estudar recentemente e de repente eu começo a ouvir aqui e ali duas músicas que me deixariam na neura de consegui-las para ouvir quantas vezes quisesse. As músicas eram A Volta que era da novela América e Índia da novela Alma Gêmea. Mas as músicas vinham sendo tocadas no decorrer do ano e eis que meu amigo Vanderlei me arruma essas duas músicas e me grava em um cd. Eu fui comprar o primeiro computador em 2006, ainda não sabia como se conseguia músicas assim tão fácil. Quando saiu o cd consegui após o lançamento, porém uma cópia pirata, algum tempo depois comprei minha cópia original.

Promessa (Roberto Carlos e Erasmo Carlos)
Música de Roberto e Erasmo gravada por Wanderley Cardoso e que aparece no filme Na Onda do Iê Iê Iê de 1966. Filme que eu tive a alegria de achar no you tube enquanto pesquisava para fazer o texto dessa postagem sobre o disco de 2005. Aliás, o especial desse ano tem até uma história engraçada que conto no decorrer do texto. Essa música me chamou atenção demais quando a vi no especial de fim de ano.

A Volta (Roberto Carlos e Erasmo Carlos)
Música que fez parte da trilha sonora da novela América. Originalmente gravada pelo conjunto Os Vips no compacto de 1966. Porém o Roberto só gravaria em 2005. Música regravada agora em 2015 no Projeto Primera Fila em Abbey Road em português e espanhol.

O Amor É Mais (Roberto Carlos)
Regravação da música de 2000 do disco Amor Sem Limite, aqui em 2005 está com uma guitarra mais em evidência, nos versos (Diferente da paixão o amor é um sentimento...) não tem Roberto cantando consigo mesmo em primeira e segunda voz. Particularmente eu prefiro a versão de 2000.


Arrasta Uma Cadeira (Roberto Carlos e Erasmo Carlos)
Participação Especial de Chitãozinho e Xororó
Conforme Roberto contou no especial de fim de ano, ele levou 14 anos para completar essa música composta já na intenção de gravar com a dupla. Chitãozinho e Xororó já tinham participado de outros especiais anteriormente. A canção também foi regravada no mega projeto Primera Fila em Abbey Road com a participação especial do cantor Marco Antonio Solis.

O Baile da Fazenda (Roberto Carlos e Erasmo Carlos)
Mais uma regravação, dessa vez dessa canção do disco de 1998, gravação que teve a participação de Dominguinhos, falecido em 2013. O arranjo no disco de 2005 tá mais puxado para um country.

Coração Sertanejo (Neuma Moraes e Neon Moraes)
Música gravada por Chitãozinho e Xororó em 1996 e foi tema da novela O Rei do Gado.

Índia (Manuel Ortiz Guerrero e J. Asuncion Flores / versão: José Fortuna)
Música gravada pela primeira vez em 1952 por Cascatinha e Inhana. No especial Roberto cantou ao vivo com cenas de Priscila Fantin na novela Alma Gêmea. Música que foi bastante veiculada no decorrer do ano antes do lançamento do disco. Nunca vou esquecer uma amiga de escola (dos meus tempos de ter voltado a estudar depois dos 30). A moça comentando na sala algo como: Roberto Carlos tá com música nova, o “homi” gravou Índia, ficou lindo!

Meu Pequeno Cachoeiro (Raul Sampaio)
Regravação da música gravada no disco de 1970. Vale dizer que é (podemos dizer) xodó dos colecionadores de Roberto Carlos. A música saiu no disco de 1970, mas tem uma versão de compacto só voz e violão, sonho de consumo de muitos colecionadores. Mas fez grande sucesso mais precisamente a partir de 2007 quando proliferavam as opções de download gratuito.

Loving You (Jerry Leiber e Mike Stoller)
O disco termina com mais uma regravação. Dessa vez uma música gravada por Elvis Presley no filme Loving You de 1957. Roberto conta no especial que foi o primeiro filme de Elvis que ele assistiu no cinema. O arranjo pra essa música ficou lindo.

O especial de fim de ano foi uma história e tanto. Não me lembro se pedi pra namorada gravar, ou se gravei em VHS mas de alguma forma, alguns meses depois o VHS estava lá na casa dela. Qual não foi a minha decepção quando constatamos que ela tinha (acidentalmente) gravado uma novela por cima do especial de 2005... Algum tempo depois passando por uma banca de rua que vendia DVDs e vi um do Roberto Carlos que era um 2 títulos em um e comprei mesmo sem saber qual o conteúdo. Pra minha surpresa era o especial de 2005 e o Acústico de 2001.
Nas comunidades do extinto Orkut já comentávamos o porquê não se lançavam os especiais de fim de ano em DVD. Alguns amigos diziam que talvez fosse pelos direitos de imagens de outros artistas participantes. Mas algum tempo depois vimos sair os DVDs Duetos...

Comentários finais sobre o disco de 2005.

Já vivíamos em uma época em que o vinil já havia sido parado de ser fabricado desde 1997, época da pirataria em massa e o download gratuito ainda estava engatinhando por aqui. Nem é preciso dizer que o cd pirata além de não conter o mesmo resultado de um cd original ainda perde-se o encarte com informações, foto e ficha técnica. A produção do disco de 2005 é de Guto Graça Melo e Mauro Motta. Fotos de Luis Garrido.  O disco de 2005 seria o último com música inédita por alguns anos. Tempo encerrado com o EP Esse Cara Sou Eu em 2012. 

terça-feira, 10 de novembro de 2015

O disco Pra Sempre de 2003 - por Renato Giannerini


A postagem a seguir é de autoria do amigo Renato Giannerini.

Olá súditos do RC, aqui quem lhes escreve é o Renato Giannerini, amigo do nosso Baratta e hoje resolvi falar um pouco do álbum “Pra Sempre” lançado em Dezembro de 2003. Lembro tão bem quando minha mãe ganha uma embalagem personalizada da Nestlé do RC, mas depois minha mãe desfez. E lá vamos nós !
Comentário Inicial: Em 2003, Roberto grava um álbum dedicado a sua esposa Maria Rita, falecida em 1998.

01-Pra Sempre (Roberto Carlos): Faixa destaque relata uma recordação ente os pombinhos, sempre será marcado. Como diz em uma celebração de um casamento: ”Mesmo que a morte nos separe”, e o Roberto foi inspirador demais neste ponto.

02-Todo Mundo Me Pergunta (Roberto Carlos): As coisas mais lindíssimas que acontece num momento de romance é que há algumas pessoas que perguntam se você tá namorando ou tá ficando. Mas o foco é a sua amada e tanto que diz em forma de carinho : ”Ela é minha vida, ela é meu amor, eu só penso nela, seja onde for”. É uma forma carinhosa de devoção a sua amada, em forma de canção. E os arranjos de Eduardo Lages, ficaram sobressalentes, equilibrados e definidos.

03-Acróstico (Roberto Carlos) : O Roberto, inspira na sua mulher que tanto amou verdadeiramente. O Acróstico diz: “Maria Rita Meu Amor”, cada letra, tem um verso e ele faz com qual zelo e emoção, que chega a emocionar a qualquer um.

04-Com Você (Roberto Carlos) : Ficou meio parecido até com a música “Pra Você” em  1970, e vejam só: A Letra fala de um só amor, e uma declaração sem fim, descrevendo um amor verdadeiro, puro, equilibrado... Um dos mais lindos amores que ninguém consegue ter.

05-O Encontro (Roberto Carlos) :  Todo o álbum que o Roberto fez é dedicado a Maria Rita, e este é mais ligado a ele. Quem não ficou alegre ao celebrar o primeiro encontro?! Quando estão enamorados, há aquelas festas bonitas, e a dupla apaixonada é conduzida aos atos do selo de uma dança lenta e bem aconchegante.

06-Como Eu Te Amo (Mauro Motta-Carlos Colla) : A Letra diz a incondicional vontade de amar. Aquele que não ama a sua amada não é considerado um homem, mas sim um rato. Um verdadeiro amor não desiste de nada, tem sua felicidade batendo a sua porta e emoções, romances, paixões, loucuras, podem surgir no decorrer deste amor que é descrito aos poucos.

07-O Cadillac (Roberto Carlos-Erasmo Carlos) : Depois do sucesso “O Calhambeque”, lá vem o Cadillac e com razão. Descreve a potência de um carro que serve pra dar um namoro pra viajar onde quiser, voltando aos áureos anos 60.

08-Seres Humanos (Roberto Carlos-Erasmo Carlos) :Um “rap” considerado uma verdadeira relação entre o ser humano, onde vive, onde está, como se porta, como trabalha.

09-História de Amor (Lula Barbosa-Pedro Barezzi) : Uma letra bem elaborada, inovadora, descrevendo um amor bem continuo, profundo, bonito de se viver.

10-Eu Vou Sempre Amar Você (Eduardo Lages-César Augusto) : Eu acho que pra fechar um álbum nada mais do que uma boa inspiração pra quem sempre ama, e nunca deixará de amar aquela pessoa que pensa todos os dias.


Comentários finais: Embora o disco todo tenha sido um sucesso, na realidade penso assim: Até neste período considero o mais romântico de todos. Sugeriria a versão em Vinil que cairia muito bem com todo o cuidado e qualidade do RC. Bem, espero que tenham gostado, e obrigado ao mano Baratta por ter me convidado pra escrever em seu blog.

Renato Giannerini

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Roberto Carlos 2015 - Primera Fila


Foi lançado na semana passada, dia 30 de outubro o CD e DVD Primera Fila, gravado nos estúdios de Abbey Road. O lendário estúdio em Londres. O projeto Primera Fila marca os 50 anos da carreira internacional do Roberto. Todos os arranjos foram refeitos, banda de primeira, arranjo de primeira. O melhor disco nos últimos dez anos.
Direção Musical do Tim Mitchell que já trabalhou com Shakira, Ricky Martin.
Produzido por Afo Verde presidente da Sony Music na América Latina.
Minha corrida à loja de discos me fez voltar no tempo dos anos 90, sempre que saía um disco novo lá estava eu na loja do bairro ou no meu caminho de Office-boy. A alegria foi tanta que eu já tirei foto no carro, voltando pra casa e compartilhando a fotos com amigos na rede social.
O DVD e CD lançados no Brasil tem as músicas em português e algumas em espanhol. Fora do Brasil será tudo em espanhol, lá vamos nós importar né? Sim, fã de Roberto tem que ter os dois lançamentos.
Participação especial de Marco Antonio Solis em Arrasta Uma Silla (Arrasta Uma Cadeira).
No DVD vem o show e o documentário sobre as gravações.


1. Emoções

2. A Volta
3. O Portão
4. Cama e Mesa
5. And I Love Her
6. À Distância
7. Detalhes
8. As Curvas da Estrada de Santos
9. Ilegal, Imoral ou Engorda
10. Eu Te Amo, Te Amo, Te Amo
11. Arrastra Una Silla part. Marco Antonio Solís
12. Propuesta
13. Amigo
14. Amada Amante
15. Mujer Pequeña
16. Lady Laura
17. Jesús Cristo


É obrigatório a todo fã do rei.
Só torcendo para sair uma edição em vinil.
Já até imagino como ficaria...
Sonhar não paga nada né?





terça-feira, 27 de outubro de 2015

O Inimitável Roberto Carlos - 1968


O Inimitável Roberto Carlos

Lado A
1.       E Não Vou Mais Deixar Você Tão Só (Antonio Marcos)
2.       Ninguém Vai Tirar Você de Mim (Edson Rineiro – Hélio Justo)
3.       Se Você Pensa (Roberto Carlos – Erasmo Carlos)
4.       É Meu, É Meu, É Meu (Roberto Carlos – Erasmo Carlos)
5.       Quase Fui Lhe Procurar (Getúlio Côrtes)
6.       Eu Te Amo, Te Amo, Te Amo (Roberto Carlos – Erasmo Carlos)

Lado B
1.       As Canções Que Você Fez Pra Mim (Roberto Carlos – Erasmo Carlos)
2.       Nem Mesmo Você (Helena dos Santos)
3.       Ciúme de Você (Luiz Ayrão)
4.       Não Há Dinheiro Que Pague (Renato Barros)
5.       O Tempo Vai Apagar (Paulo César Barros – Getúlio Côrtes)
6.       Madrasta (Renato Teixeira – Beto Ruschel)


Mudando um pouco o estilo das postagens aqui do blog Súditos, talvez até motivado pelo disco que é uma enorme mudança no estilo e na abordagem. 1968 foi um ano de mudanças em muitas áreas da cultura. Na música Roberto já começava o ano ganhando o Festival de San Remo. Pouco depois deixou o comando do programa Jovem Guarda. E começava uma nova era na carreira de Roberto. Roberto Carlos em Ritmo de Aventura é um disco maravilhoso, tem bastante Iê, Iê, Iê e as letras do disco não foge muito do estilo de letra dos discos anteriores. Mas O Inimitável é o disco da mudança radical em estilo, conceito, instrumentação e abordagem.
Já começa pela capa, a foto traz Roberto e seu violão com uma folha de papel sobre a mesa. Já mostra o Roberto Carlos compositor, antes de qualquer coisa. A foto parece ser em seu apartamento na cidade de São Paulo na época.
O disco anterior abria com Eu Sou Terrível, um rock cheio de guitarras, condução perfeita de bateria e baixo e metais.
Inimitável abre com E Não Vou Mais Deixar Você Tão Só do saudoso Antonio Marcos. Fugindo um pouco dos habituais namoros no portão, como Roberto diz em Nossa Canção ao vivo no disco de 1998 “Amassos que não podiam passar das dez da noite...”. A canção de Antonio Marcos tem uma abordagem mais adulta, o arranjo tem uma pegada mais séria, mais trabalhada e os violinos começam a aparecer nos discos do Roberto. Ninguém Vai Tirar Você de Mim também traz uma nova forma da banda executar as músicas, ainda com guitarras em evidência, baixo e bateria, mas aqui a banda está diferente, aliás, no disco todo pode se perceber essa diferença. A letra fala do amor em que nada mais interessa, a determinação de (não vou ser triste e nem chorar por mais ninguém). A entrega de corpo e alma em (esqueço tudo até de mim, quando estou perto de você). Parece tratar de um amor novo (O nosso amor é puro, espero nunca acabar). Se Você Pensa por sua vez chuta o balde em afirmações como (daqui pra frente, tudo vai ser diferente, você vai aprender a ser gente, seu orgulho)... uma postura mais agressiva e intimidadora. É Meu, É Meu, É Meu, Música que foi revisitada no especial de 2012 com as personagens da novela “Cheias de Charme” e traz em seu arranjo a gaita. Revisita a inocência dos discos anteriores como na citação em que diz que nada tem mais charme do que o joelhinho da garota. A letra descreve os encantos do corpo feminino da cabeça aos pés.
Do mesmo autor de O Sósia, Negro Gato, nesse disco tem Quase Fui Lhe Procurar. A citação (... pra dizer, que errei...) traz a caída de ficha de reconhecer o erro (sabe-se lá qual tenha sido) e consertar tudo.
Música que voltou a ser destaque nos repertórios atuais, uma das músicas que foram revisitadas a partir do acústico. Roberto canta em seus shows logo no começo.

O lado B começa com outra música que deixa o rock um pouco de lado, assim como no disco todo. Roberto estava mudando de estilo. Já devo ter falado nessa postagem, mas repare bem nos instrumentos, o disco está com uma pegada bem soul. Como Roberto contou uma vez, Dedé seu baterista na época namorava a Martinha e um dia o namoro terminou, Roberto pensando na situação compôs essa obra prima. Música que foi regravada por Maria Bethânia com um arranjo que eu gosto muito. Na versão do disco O Inimitável a música termina com uma citação de Nossa Canção (do disco de 1966), porém instrumental na guitarra. Depois de uma música romântica, o disco começa esquentar com Nem Mesmo Você de Helena dos Santos, a compositora de origem humilde, mas de grandes canções. Me bateu uma dúvida agora ouvindo, claro, o vinil. Será que nessa época nos discos nacionais já se faziam os overdubs (gravação sobreposta), pois a voz de Roberto no refrão Roberto canta consigo mesmo uma terça acima.  O solo de gaita junto com a guitarra seria mais legal (na minha opinião se fosse um duelo) cada frase para cada instrumento. Um de cada vez. Ciúme de Você do nosso querido Luiz Ayrão é a minha cara. Ciumento convicto e neurótico. Podemos linkar ela com Meu Ciúme de Sullivan e Massadas do disco de 1990. Passam os anos mas ciúme é ciúme em qualquer época. Sou da opinião: Quem ama cuida! Não Há Dinheiro Que Pague de Renato Barros do Renato E Seus Blue Caps, é um soul perfeito, a música tem uma pegada eu diria psicodélica, lembra um pouco a Let The Sunshine In do filme Hair. O Tempo Vai Apagar de Paulo César Barros e Getúlio Côrtes é uma música que tem uma letra que fala de fim de relacionamento e aceitação, (não vejo motivo pra contestar... não sofrerei pois bem sei isso passa e o tempo vai apagar), fortíssima. Imagino que essa música já fez muito/a fã chorar em até os dias de hoje. O disco fecha saudando a chegada de um novo membro da família, Madrasta de Renato Teixeira e Beto Ruschel. É MPB pura. Com todas suas dissonâncias.

Considerações Finais:

O Inimitável Roberto Carlos é um disco obrigatório para todo mundo que gosta de boa música. Pode até não curtir Roberto, mas esse disco é obrigatório. Era a transição da ingenuidade do Iê, Iê, Iê para as letras adultas e produção um pouco mais arrojada dos anos 70, bem antes da tecladeira predominante dos anos 80. A banda está afinadíssima. 

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Roberto Carlos Canta Para A Juventude - 1965


Roberto Carlos canta para a Juventude 1965
Lado 1
1. "História de um Homem Mau (Ol´ Man Mose)" (Louis Armstrong / Zilner Randolph / Vrs. Roberto Rei)          
O disco começa com essa música que conta a história de um rapaz que tinha a fama de ser mau. A música vai subindo de tom gradativamente. A letra meio suspense vai ganhando clima e a banda vai ficando mais agressiva. As guitarras já dão uma ideia do que virá ao longo do disco. A música seria meio que revisitada no disco seguinte Jovem Guarda em O Velho Homem do Mar.

2. "Noite de Terror" (Getúlio Cortes)    
Mais uma música de suspense na voz de Roberto. A introdução é uma guitarra bem distorcida e um grito. “Um trago de whisky para me aquecer”  ajuda a ler o bom livro, mas uma mão gelada bate em seu ombro e era o Frankstein. A letra é uma grande sacada de Getúlio Cortes. A banda descrita pelo menos no wikipedia seria composta por Roberto Carlos guitarra e voz, Lafayette órgão e Black Jets em todos os instrumentos.

3. "Como É Bom Saber" (Helena dos Santos)    
Depois da história do Homem Mau e da aventura em Noite de Terror, o romantismo dá as caras em Como É Bom Saber. Mesmo sendo uma música de amor que exalta o amor recém chegado a banda ataca divinamente. Um coral de fundo, Roberto não usava coral em todas as canções. Lembra bastante as gravações feitas por Elvis Presley com os Jordanaires.

4. "Os Sete Cabeludos" (Roberto Carlos / Erasmo Carlos)           
Essa foi uma música que eu fiquei louco desde a primeira vez que eu ouvi. A história de ciúme,  briga e pouco caso de Lili é contada nessa canção com uma baita presença de guitarras, um violão gostoso de fundo. A música foi regravada pelo Ultraje a Rigor com o nome de os 4 cabeludos. Muito circulou pela internet a versão de Os Sete Cabeludos com os efeitos sonoros de um verdadeiro quebra pau, tudo isso dentro do estúdio, imagine a bagunça.

5. "Parei... Olhei" (Rossini Pinto)             
Os solos de sax e órgão bem divididos nessa música que conta a história de um amor à primeira vista encontrado num dia qualquer, mas que mudaria a vida do pretendente que até pensou em colocar anúncio no jornal para achar o broto.

6. "Os Velhinhos" (José Messias)
Amor infinito enquanto dure. Quando a velhice chegar, coisas que os jovens geralmente nem pensam muito, creio que naquela época muito menos. Pelo menos os jovens daquela época pensavam em casar, constituir família... Enquanto hoje em dia...      
       
Lado 2

1. "Eu Sou Fã do Monoquini" (Roberto Carlos / Erasmo Carlos)
A música pra mim segue um pouco o arranjo da Calhambeque do disco anterior, mas a letra é totalmente diferente, a proposta da música é outra. E pra finalizar, o violão bem em evidência.

2. "Aquele Beijo Que Te Dei" (Édson Ribeiro)   
Praticamente todo disco do Roberto nos anos 60 são na realidade Greatest Hits, pois todas as músicas são conhecidas. Creio que não teve música que não foi exaustivamente ouvida pelo público. Aquele Beijo Que Te Dei é um romantismo com bastante presença de guitarras e órgão.

3. "Brucutu (Alley-oop)" (Dallas Frazier / Vrs. Rossini Pinto)      
Brucutu saiu dos quadrinhos e foi parar no disco do Roberto. Esse talvez seja um dos discos em que há maior diversidade de temas das letras das canções.

4. "Não Quero Ver Você Triste" (Roberto Carlos / Erasmo Carlos)          
Roberto não canta. Declama a letra da canção.  

5. "A Garota do Baile" (Roberto Carlos / Erasmo Carlos)              
Essa música Roberto conseguiu passar o clima de salão de baile, não há como ouvir essa música e não sentir o clima de um salão de baile com essa música tocando.

6. "Rosita" (Francisco Lara / Jovenil Santos)
Grande música de Francisco Lara e Jovenil Santos onde está bem em evidência a guitarra e gaita. Fica a dúvida se a gaita é tocada pelo próprio Roberto.
Bem amigos súditos, depois de um tempinho de férias, resolvi postar aqui. Hoje venho falar sobre um disco que sempre gostei muito. A começar pela energia das músicas do disco. Ele foi lançado em Abril de 1965, um pouco antes do começo do programa estrear na TV Record. As guitarras estão mais agressivas, a banda está redonda, está um relógio.




quinta-feira, 18 de junho de 2015

O DISCO DE 1996


O DISCO DE 1996

Lado 1
  1. Mulher de 40 (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
  2. Cheirosa (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
  3. Quando Digo Que Te Amo (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
  4. Amor Antigo (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
  5. Como É Grande O Meu Amor Por Você (Roberto Carlos)

Lado 2
  1. O Terço (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
  2. Tem Coisas Que A Gente Não Tira do Coração (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
  3. Comandante do Seu Coração (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
  4. Assunto Predileto (Eduardo Lages/Paulo Sérgio Valle)
  5. O Homem Bom (Paulo Sete e Clayton Querido) Adaptação de Texto: Roberto Carlos

Mulher de 40 (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
Depois de fazer homenagens como Coisa Bonita, Mulher Pequena, O Charme dos Seus Óculos, a dupla Roberto e Erasmo homenageiam as mulheres de 40. No ano desse disco Roberto Carlos lançou o disco no programa Domingão do Faustão. Programa que eu parei tudo que estava fazendo pra assistir. 1995 tinha sido um ano meio difícil em casa, a coisa estava tão feia que até sem TV eu e mamãe ficamos. Mas depois as coisas melhoraram um pouquinho e pude assistir o Roberto no Faustão lançando o disco. O disco Senhoras e Senhores. O último disco em vinil do Roberto a sair no Brasil. Mas eu não lembro se já tinha o disco em mãos, ou se comprei naquela semana em uma das últimas lojas de disco que lembro ainda na Vila Prudente em São Paulo.

Cheirosa (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
E aqui voltamos à diversidade de ritmos e estilos presentes nos discos de Roberto nos anos 90. Aliás, os discos de Roberto dos anos 90, o Roberto dos anos 90 que muita gente critica, tem uma particularidade única. Ele não se prendeu em estilo nenhum, quem não lembra do disco seguinte de 1997 onde ele só gravou boleros. A canção Cheirosa tem um ritmo gostoso e a letra tem um toque de sensualidade “Meu bem isso não se faz com quem trabalha”... “Esse perfume a cabeça me embaralha/ De terno e gravata o que é que eu vou fazer?”

Quando Digo Que Te Amo (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
Um dos pontos altos do disco. Uma canção no padrão RC de qualidade. Não lembro se essa música tocou no rádio na época. Mas bem merecia entrar na programação das grandes rádios. O solo de sax é do Milton Guedes. Eu diria que é uma música na mesma linha de Música Suave de 1978 e Amante À Moda Antiga de 1980.

Amor Antigo (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
A dupla Roberto e Erasmo atacam em um tema novo. O amor antigo sufocado. Quantas vezes a gente já passou por isso. Isso é algo muito perigoso. Tem mulher que às vezes até acaba com a amizade além de vir com aquele fora clássico (Ah, mas você está confundindo as coisas). O que é uma mentira, pois a gente é que se apega. Mas incomoda quando a gente se disponibiliza de (sou todo ouvidos) e elas vem contando tudo e mais um pouco. Mas na hora do (... Vou fazer o que o meu coração me obriga / Arriscando essa amizade tão antiga / Já não sei ficar calado...) é complicado. Solo de sax do Léo Gandelman.

Como É Grande O Meu Amor Por Você (Roberto Carlos)
Música de 1967 regravada com arranjo mais próximo aos shows atuais. Com direito a subida de tom no meio da música, Roberto declamando parte da letra.



O Terço (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
No especial de 1998, Roberto e Erasmo revisitaram essa música e foi mencionado da demora muitas vezes para se concretizar uma letra. Erasmo citou O Terço, demoraram muito para terminar a música. Letra profunda, nos leva a reflexão. Você que escuta o disco pode até não ser católico praticante, mas faço um convite para que preste atenção nessa letra. Roberto na última entrevista ao Jô Soares disse que em certa época estava fazendo curso pra santo.

Tem Coisas Que A Gente Não Tira do Coração (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
Essa música eu adorei de cara, desde a primeira vez que a ouvi. Mesmo a gente não passando por tais situações que Roberto canta, mas me leva para um tempo legal que eu vivia em 1996. Essa coisa do reencontro as frases (já tenho também outro amor / aprendi a viver sem você / também minha vida refiz...) enfim, pensei que jamais pudesse chegar um dia a dizer isso, mas hoje posso dizer sim se reencontrar um certo alguém, tá bom, tá bom, foram... ah deixa pra lá.

Comandante do Seu Coração (Roberto Carlos/Erasmo Carlos)
O disco é de 1996, porém em 97 Roberto foi ao programa Em Nome do Amor do SBT apresentado pelo Silvio Santos receber não um mas três Troféus Imprensa, premiação que indica quem mais se destacou como melhor cantor(a), ator, atriz, jornalista, novela, programa de TV, a lista é imensa. Em um sofá Roberto foi entrevistado por Silvio Santos e terminou cantando seus mais recentes sucessos que fazem parte desse disco: Mulher de 40 e Comandante do Seu  Coração.

Assunto Predileto (Eduardo Lages/Paulo Sérgio Valle)
Música da mesma dupla que fez Confissão em 1980. A letra fala das (...vezes em que a gente passa pelo amor sem saber que está diante do que sempre procurou) e (nessa hora que a gente sabe o que é solidão). Solo de Flugel de Tony Conception.

O Homem Bom (Paulo Sete e Clayton Querido) Adaptação de Texto: Roberto Carlos
Roberto que abre o disco Canta Para A Juventude em 1965 cantando “História de um Homem Mau”, fecha o disco de 1996 cantando “O Homem Bom”. A letra fala de um homem que anda pelo mundo fazendo o bem, não importa a quem, dividindo o que tem, que conhece as escrituras sagradas... Não importa o nome desse homem. Lembro-me de um amigo meu, fã de Roberto na época quando me falou sobre o disco (embora eu já tivesse) que o Homem Bom da música era ele. Na interpretação desse meu amigo, Roberto estava cantando sobre ele mesmo.

Considerações Finais
O disco de 1996 foi o último álbum do rei a ser lançado em vinil no Brasil. No ano seguinte, 1997 acabava de vez a produção de discos no Brasil. Uma perda imensa da qual não nos recuperamos (eu pelo menos) até os dias de hoje. Pois nos anos seguintes fomos surpreendidos com grandes discos como o Acústico em 2001, Pra Sempre, Amor Sem Limite, o disco de 2005...
Foto Luis Garrido
Produção de Mauro Motta